Biografia

mp


Meu nome é Mauro Perelmann, nasci no Rio de Janeiro, sou músico, compositor, arranjador, produtor musical, diretor musical e tenho uma significativa experiência na área musical (teatro, cinema, tv e arranjos e direção musical de grupos vocais) do Rio de Janeiro.

Comecei meus estudos musicais na década de 70, nos Seminários de Música Pró-Arte, tendo sido aluno de Leo Soares (violão clássico) e Luis Felipe Oiticica (música popular).

Estudei teoria musical com Valéria Peixoto e Música Popular Brasileira com Ricky Ventura. Em 1976, fui viver em Israel e tive a oportunidade de estudar violão clássico com Chaim Assulin, professor da Academia Rubin de Jerusalém.

Voltei ao Brasil em 1980 e estudei harmonia funcional e arranjo com Isidoro Kutno e arranjo com os professores Célia Vaz e Ian Guest. A partir dos anos 80, além de dar aulas particulares de violão, comecei a ter contato com o universo teatral, participando como músico e principalmente como compositor e diretor musical de várias produções, destacando o premiado grupo Navegando e espetáculos como, “A Lenda da Pérola (1983), “... de Como o Dia Virou Noite e a Noite Virou Dia e Noite” (1984), “Plim, o Musical” (1985), “A Constituinte da Nova Floresta” (1986), “O Menino do Egito” (1987), “ A, “ E o Mundo Não se Acabou” (1990), “A Farsa do Advogado Pathelin” (1990), “Equus” (2004), entre outros.

O universo teatral me proporcionou indicações para o Prêmio Mambembe e uma premiação pela música e direção musical de “A Terra dos Meninos Pelados” uma adaptação do livro de mesmo nome de Graciliano Ramos, dirigido por Bia Lessa e Tonico Pereira. Paralelo a esse trabalho, dei aulas de música em escolas, como o Centro Educacional Anísio Teixeira, na CAL (onde estou até hoje) e na Musiarte. Durante todo esse período, muitos trabalhos de free lancer aconteceram, como a pesquisa musical da novela “Pantanal”, da Rede Manchete de Televisão, em 1990. Em 1988, fundei o grupo vocal Zinziver, do qual fui diretor musical, arranjador e violonista.

O Zinziver era um grupo vocal de atores cantores que, durante seus 8 anos de vida, se apresentou em vários palcos do Rio de Janeiro e de São Paulo, em lugares tradicionais da época, como “Casa de Cultura Laura Alvim”, “Mistura Fina”, “Café Laranjeiras”, em vários Shoppings do Rio de Janeiro, na Fundição Progresso, além de escolas, congressos, na ECO 92, entre outros.

Em 1994, a Biblioteca Nacional lançou o projeto “Automação do Acervo de Partituras da Divisão de Música da Biblioteca Nacional”, no qual participei como Coordenador de Equipe. Estive a frente da equipe até o ano de 1998. Como regente de corais, trabalhei com os Corais da Associação de Pais da Escola Eliezer Steimbarg, de 1994 a 1996, com o Coral do CIGAM, em 1995, com o Coral da Organização Feminina Wizo, de 2005 até 2013, e com o Coral da Sociedade Hebraica de Niterói, de 2005 até hoje, além do grupo vocal feminino “Às Terças” como arranjador, diretor musical e violonista.

Em 1996, comecei a fazer uma pesquisa sobre música judaica e formei um grupo de música klezmer (música judaica do Leste Europeu), o Zemer. Como arranjador, diretor musical e violonista do Zemer, fiz muitos shows, dentro e fora da comunidade judaica. Em 2006, gravamos nosso CD e em 2009 fomos convidados a participar do Nova Scotia Multicultural Festival, em Halifax.

Com o surgimento do Zemer, e por ter vivido em Israel, dominar o hebraico e conhecer a fundo a cultura israelense, comecei a ser solicitado pela comunidade judaica como idealizador e produtor de shows musicais com temáticas e repertórios israelo-judaicos. Fui solicitado também para participar (como músico) de novelas da TV Globo que tinham temáticas judaicas.

Em 2015, fui convidado pela Sinagoga Or Shalom de Vancouver, Canadá, para tocar meus arranjos, com músicos locais. Em 2016, estive novamente em Vancouver, desta vez na Sinagoga Beth Israel, levando o show “Naomi Shemer in Concert”, homenageando a compositora israelense Naomi Shemer, com arranjos meus e com a participação de cantores e músicos locais.

No ano 2000, comecei a trabalhar com áudio-visual (cinema e TV). Fui convidado para trabalhar na Coopas, (Cooperativa de Trabalho de Produção Audiovisual de Saúde, Saneamento e Meio Ambiente Ltda.), produtora responsável no projeto televisivo “Canal Saúde”, da Fundação Oswaldo Cruz. No “Canal Saúde” sou o responsável por toda a parte musical, seja compondo música para aberturas de programas, para vídeos institucionais, documentários ou sonorizando semanalmente programas de cunho jornalístico. Na Coopas, além do projeto “Canal Saúde", produzimos vários produtos, entre os quais um documentário, “De Volta”, que foi exibido no Canal Futura.

O documentário “De Volta”, do qual sou o criador da música original, foi indicado ao “International Emmy Award”, em 2014, na categoria “Melhor Documentário Internacional”. Em 2017, estamos produzindo a Série “Amor de Cozinha”, do qual sou diretor musical, para o Canal Futura. Em 2018, estréia a 2ª temporada Série “Amor de Cozinha”. Além de trabalhar na Coopas, tenho composto, também para filmes brasileiros independentes, como o infantil “Olho Vivo na Natureza”, o longa-metragem “Outro Olhar”, entre outros.

Sou filiado também à Musimagem Brasil, associação de compositores para cinema e televisão